domingo, 14 de fevereiro de 2010

Windows Mobile, Nokia PC Suite e a importância do software

Amanhã, dia 15 de Fevereiro de 2010, a Microsoft prepara-se para anunciar no evento GSM World, em Barcelona, a próxima versão do seu sistema operativo Windows Mobile para smartphones. Update: novidades aqui.
Mas não posso deixar de sentir que, pelo menos para mim, o sistema operativo de um smartphone é apenas uma parte da equação - e, se calhar, nem sequer a parte mais importante - na experiência de utilização de um equipamento.
Digo isto porque recentemente decidi trocar o meu velho Nokia N80 por uma máquina mais moderna. Tinha apenas um requisito, que era o de encontrar um equipamento com teclado alfanumérico, uma vez que uso muito o telemóvel para enviar e receber emails. Já tinha praticamente decidido que iria comprar um HTC Snap, com teclado à la Blackberry até porque, apesar de inicialmente lançado com uma versão mais antiga, a HTC tinha já disponibilizado uma ROM actualizada com Windows Mobile 6.5.
Acontece que eu nunca tinha experimentado qualquer máquina com Windows Mobile. Apenas pensei que não seria muito diferente do meu Nokia N80 e que, a ser, seria muito melhor. Pensei mal. Experimentei um BlueBelt II, emprestado pela TMN, e odiei.
Comecei por não gostar do hardware, mas outras máquinas podiam ser melhores, diferentes, mais ao meu gosto. Só que não gostei também particularmente do Windows Mobile. Percebi depois que não fui o único - quem já conhecia as versões anteriores também estava à espera de melhor. E até pode ser que o dia de amanhã, no GSM World, traga boas novidades a este respeito.
Acontece que descobri que, pelo menos para mim, não era nem o hardware nem o sistema operativo que eram o mais relevante na minha experiência de utilização. Mais do que qualquer um desses elementos-chave, era o software de sincronização com o computador que, para mim, fazia toda a diferença. E nesse aspecto ainda está para chegar algo que seja melhor do que o Nokia PC Suite. Nem (ainda) o OVI Suite o ultrapassa.
O facto de a Vodafone, de quem sou cliente, não ter disponível qualquer máquina com Windows Mobile 6.5 no início do ano, quando precisei de renovar o meu contrato, acabou por clarificar a minha decisão de voltar a comprar um Nokia. Troquei o N80 por um Nokia E75 e não estou arrependido, bem pelo contrário.
Mas, para mim, é a conjugação do E75 com o Nokia PC Suite que faz toda a diferença. Dou alguns exemplos: com o PC Suite posso seleccionar qual a pasta dos meus contactos no Outlook é que pretendo sincronizar - algo que não posso fazer com as ferramentas que a Microsoft fornece com o Windows. Na verdade, o mesmo acontece com o novo Nokia OVI Suite,  que é supostamente melhor do que o PC Suite, mas que tive de desinstalar, pois também não permite a selecção das pastas de sincronização com o Outlook.
Depois, o mesmo PC Suite permite, sem qualquer tipo de configuração da minha parte (!), usar o modem interno do meu E75 com o meu Packard Bell dot m/u sem qualquer apêndice USB de navegação em banda larga 3G.
Quando estou a trabalhar junto ao computador, controlo o meu E75 todo a partir do PC Suite. Atendo e faço chamadas, envio e recebo SMS, sincronizo tarefas e contactos... Subitamente é como seu o meu PC ganhasse capacidades de comunicação e, ao mesmo tempo, como se o meu Smartphone passasse a ser tão poderoso como um PC.
Um Smartphone é uma coisa muito pessoal, mais pessoal do que um PC. E há certamente uma conjugação de equipamento e sistema operativo ideais para cada utilizador. Mas é um erro não olhar mais além e tentar perceber que outras ferramentas existem e como é que elas nos podem ajudar a tirar partido do investimento que realizámos.
Acredito que não seja para todos mas, para mim, a combinação do Nokia E75 (e do respectivo sistema operativo Symbian S60) com o Nokia PC Suite é absolutamente imbatível.

Sem comentários: