sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Teste ao Nokia Lumia 900 - Parte 3: as apps

Desde o lançamento do iPhone que o paradigma dos smartphones mudou radicalmente. Já escrevi a proósito disso anteriormente aqui, pelo que não voltarei ao assunto.

Mas penso que será consensual a constatação de que as aplicações (apps) disponíveis para cada plataforma móvel determinal em grande medida o seu sucesso.

A Microsoft está claramente apostada em recuperar radidamente o tempo perdido e dotar o seu mercado de tantas apps quantas possa e o mais rapidamente possível.

O mercado de aplicações do Windows Phone já ultrapassou as 100.000 (e atingiu este número mais depressa do que o iOS ou o Android) mas, sinceramente, acho essa guerra de números irrelevante.

Porquê? Bem, para começar, porque ninguém precisa de instalar 1000 (ou 100) apps no seu smartphone. Depois, porque em qualquer plataforma, existem apps que são simplesmente péssimas ou cópias umas das outras.

Qual a métrica então que devemos usar? Simplesmente, a de saber se cada ecossistema tem as apps que queremos ou, não as tendo, procurar equivalentes.

Isto não é uma mera discussão bizantina. Os computadores (e, por arrasto, os modernos smartphones) são máquinas que nada fazem sem software, pelo que saber se o software de que necessitamos está disponível para o smartphone que pretendemos comprar, é realmente importante.
Já expliquei anteriormente que tenho um perfil de utilização que provavelmente não será igual ao de muita gente, pelo que aquilo que procuro num smartphone poderá não ser o mesmo de quem me está a ler.

Apesar disso, com uma excepção até agora, encontrei tudo o que queria, e em versão gratuita, sendo que algumas coisas estão já pré-instaladas no Nokia Lumia 900.
Uma das vantagens do marketplace da Microsoft é que a esmagadora maioria das aplicações pagas pode ser instalada em modo "trial", pelo que é possível ver o que fazem sem ter de "pagar para ver"... Por outro lado, nem sempre é fácil encontrarmos o que queremos, razão pela qual existe até uma app da Nokia destinada precisamente a destacar o que de mais interessante se pode encontrar por lá.

Integração e hubs
A Microsoft transmitiu desde o início que a maior diferença entre o Windows Phone e os seus concorrentes, especialmente o iOS, é a forma de organização por hubs e não propriamente por aplicações. Isto é verdade mas, na prática, não existe uma grande diferença na forma como usamos o smartphone.

Onde se nota mais a integração nesta lógica de hubs é nos Contactos (People, na versão em inglês) porque existe uma excelente integração com as redes sociais mas, da forma como uso o meu Lumia, é algo que não me dá um valor acrescentado por aí além.

Ou seja, aqui como em qualquer outra plataforma móvel, as aplicações (apps) continuam a ser muito importantes e a determinar o nível de funcionalidade que obtemos por parte do equipamento.

Apps da Nokia

As aplicações criadas pela Nokia para os Lumia bem como o investimento que esta empresa tem vindo a realizar na plataforma Windows Phone tornam a opção pela Nokia como a melhor para quem pretende ter um smartphone com o sistema operativo da Microsoft.

Nokia Collection. Ao entrarmos no Mercado de aplicações a partir do Lumia encontramos desde logo um grupo chamado Nokia Collection, que agrupa (quase) todas as aplicações que a Nokia criou para esta plataforma. A maioria só funciona nos Lumia, outras funcionarão também noutros Windows Phone apenas após algum tempo de exclusividade na Nokia.

Uma das apps da Nokia chama-se App Highlights e dá-nos sugestões de novas apps interessantes para o nossos Lumia.

Depois temos apps relacionadas com GPS e mapas – Mapas (Maps), Conduzir (Drive) e Transportes (Transport) – outras que nos dão música (Nokia Música, TuneIn Radio...), e ainda outras que têm a ver com a câmara fotográfica, entre elas o Estúdio Creativo, uma espécie de Instagram com esteróides). Há mais, e outras ainda estão previstas até ao final de 2012, sendo previsível que a Nokia continue a desenvolver aplicações para diferenciar os Lumia face à concorrência.

Destas, já o usei o Conduzir (superior em funcionalidade ao meu GPS Garmin), que permite até a navegação offline, com mapas previamente descarregados, sem necessidade de ligação à rede 3G. Quanto ao Música, oferece-nos um manancial de opções de música gratuita verdadeiramente interessante.

Caso não encontre todas as aplicações Nokia que procura, há um truque (válido para outros criadores de apps): no ecrã de selecção do software, antes de instalar, use a opção "mais aplicações de Nokia Corporation" e será apresentada a lista de todas as apps Nokia disponíveis.

Nokia Beta Labs. Uma forma de aceder a ainda mais apps da Nokia é através do website http://betalabs.nokia.com. Aqui encontram-se imensas apps interessantes ainda em fase beta que não se encontram no Mercado mas que podem ser desde já instaladas e que, à medida a que forem evoluindo, serão actualizadas sem as termos de reinstalar.


Apps da Microsoft

Ao contrário do que acontece com a Nokia, todas as apps criadas pela Microsoft estão disponíveis para quaisquer modelos com Windows Phone. No entanto, nem todas são gratuitas, especialmente no que diz respeito aos jogos.

Há imensas apps da Microsoft que são apenas pequenos exercícios de estilo, para mostrar aos programadores quais as direcções que devem seguir e que não são superiores a outras semelhantes, quer pagas, quer gratuitas. Mas em todos os casos trata-se de aplicações sólidas e elegantes, mesmo que não tenham todas as funcionalidades dos concorrentes.

Office. Para mim, uma das razões pela opção Lumia é o suporte integral para documentos Office, quer em termos de leitura, quer em termos de escrita. Além disso, a app Office inetegrada no sistema operativo permite aceder directamente ao SharePoint que a minha empresa tem no Office 365 e integrar-se também de forma perfeita com a minha SkyDrive (para cujo acesso directo existe também uma app).

O truque descrito acima de procurar "mais aplicações de Microsoft Corporation" permite encontrar imensas, desde um nível de bolha (!) até ao interessante jogo gratuito Unite.

O Translator é talvez um dos mais espectaculares exemplos de uma boa app da Microsoft. Não só fornece serviços de tradução convencionais, como os que encontramos na Web, como nos permite, através de reconhecimento óptico de caracteres (OCR), apresentar traduções de texto capturado através da câmara – muito útil para quando estamos fora do nosso país e precisamos de saber o que diz um sinal, um cartaz ou um menu num restaurante!

Um último destaque para um serviço – e não propriamente uma app – da Microsoft  chamado O Meu Telemóvel e que permite encontrar um dispositivo perdido e até bloqueá-lo ou apagar o seu conteúdo à distância. É útil para dispositivos roubados, mas também para quando o deixámos debaixo das almofadas do sofá e não sabemos onde está, pois através do browser podemos activar o toque e assim encontrá-lo.

Apps... ausentes

Disse no início que tinha sentido apenas falta de uma aplicação. É tanto mais estranho quanto eu a usava nos meus Nokia anteriores, com Symbian. Trata-se do MB Net, disponível para iOS e Android mas (ainda) ausente para Windows Phone.

É grave? Para mim, não. Mas reconheço que usava de vez em quando e é sempre um motivo de desapontamento descobrirmos que algo que era possível fazermos deixou de o ser apesar de termos feito um upgrade significativo ao nosso equipamento.

Tudo o resto encontrei. Até um bom cliente gratuito de Tumblr, mas que acabei por preterir quando encontrei outro muito, muito melhor, pago – e lá dei os meus primeiros €0,99 de sempre por uma app.

A próxima parte deste artigo será a última, onde falarei mais um pouco sobre como é viver com o Lumia 900 e tirarei as conclusões finais.


Teste ao Nokia Lumia 900 - Parte 1
Teste ao Nokia Lumia 900 - Parte 2: viver com o Lumia

Sem comentários: