sábado, 18 de agosto de 2012

Teste ao Nokia Lumia 900 - Parte 4: Conclusão



Comecei a escrever sobre o meu novo Nokia Lumia 900 há cerca de 3 semanas.
Desde então duas coisas aconteceram. Por um lado reforcei as primeiras boas impressões sobre o equipamento. Por outro, alguns dos pontos que considerava menos bons acabaram por se revelar boas surpresas.
Entre estas, descobri que afinal a bateria dura bastante mais do que inicialmente reportei – o que acontecia é que tinha três contas de email no Lumia e todas elas estavam configuradas para receber email em tempo real, o que fazia com que estivessem em constante estado de sincronização. Ao alterar as definições para irem buscar email apenas a cada 15 minutos, a bateria praticamente passou para o dobro: enquanto inicialmente não chegava a durar um dia de trabalho, agora dura cerca de um dia e meio.
Outro ponto que referi e relativamente ao qual manifestava algumas dúvidas tinha a ver mais com o operador (Vodafone) do que com a Nokia. Há três semanas verifiquei que havia já uma actualização de firmware disponível mas o Lumia tinha ainda uma versão anterior, o que me suscitou a preocupação face à rapidez com que a Vodafone em Portugal iria disponibilizar actualizações (a experiência anterior com um Nokia E75 levava-me a esperar o pior). A verdade é que há dois dias, ao ligar o Zune, surgiu a mensagem de que havia uma actualização disponível – e era precisamente o firmware que a Nokia tinha anunciado anteriormente.
Finalmente, a câmara. Escrevi anteriormente que as câmaras de todos os smartphones deixam bastante a dasejar e que a do Lumia 900 não seria excepção. É verdade e, no essencial, mantenho. No entanto, uma pequena viagem pelo Norte do país onde tive a oportunidade de usar o Lumia 900 como câmara fotográfica alternativa a uma Casio EX-ZR100 mostrou que o Nokia, se bem que não possa substituir uma boa câmara compacta em todas as situações, é capaz de captar excelentes imagens em exteriores e à luz do dia.
O mesmo se pode dizer da sua utilização em modo de vídeo. Apesar de gravar "apenas" vídeo HD a 720p, fá-lo com um bitrate extremamente elevado o que resulta em imagens de qualidade surpreendente.

O Lumia 900 e Windows Phone

A apreciação global do Nokia Lumia 900 não pode deixar de incluir o sistema operativo Windows Phone 7 (aqui, na actualização designada por "Tango"). É a conjugação do hardware e das apps da Nokia com o sistema operativo da Microsoft que oferece a experiência global.
Sobre o hardware, que já abordei na primeira parte, é de salientar algo que muitos têm salientando como sendo negativo e que, quanto a mim, é não só injusto como, sobretudo, irrelevante: o facto de este ser um smartphone (à semelhança, aliás, de todos os restantes modelos de outros fabricantes que usam a actual gegeração Windows Phone) que possui "apenas" um processador com um núcleo. Isto, quando os processadores com dois núcleos se generalizaram na concorrência (Android e iOS) e existem até modelos com processadores de 4 núcleos.
É justo reconhecermos que, mesmo que os fabricantes quisessem, a actual geração Windows Phone (7.x) não suporta processadores de mais do que um núcleo. Contudo, a verdade é esta: a experiência de utilização do Nokia Lumia 900 com um processador de um só núcleo é mais rápida e mais fluída do que a da esmagadora maioria dos smartphones com processadores de dois núcleos de outros sistemas operativos.
Quem tiver dúvidas de que assim é, basta passar por uma loja de telecomunicações que tenha um Lumia em demonstração e constatar por si próprio.

Conclusão

Estas primeiras semanas com o Nokia Lumia 900 têm sido um crescendo positivo. Cada dia que passa descubro mais uma funcionalidade interessante (como esta: quando nos ligam, caso não queiramos atender, basta virarmos o telefone para baixo para que ele desligue a campaínha e entre em modo silêncio), mais uma app gratuita útil (como o Contadores da Nokia, que permite controlar os gastos do nosso plano de telecomunicações), mais uma utilização interessante (como o Nokia Drive, que substituiu definitivamente o meu GPS Garmin no automóvel).
Sim, é verdade que a Nokia irá anunciar no início de Setembro uma nova geração de terminais baseados no Windows Phone 8. Mas isso é algo que não me tira o sono, até porque demorará ainda algum tempo até que cheguem ao mercado e, quando chegarem, teremos também de ver a que preço.
Quanto ao Nokia Lumia 900, irá ainda receber pelo menos mais uma actualização do Windows Phone, a versão 7.8, com o mesmo ecrã inicial e capacidades de personalização do Windows Phone 8.
No limite, amanhã teremos sempre mais e melhores smartphones. Mas eu estou a usar o Nokia Lumia 900 já hoje. E estou a adorar.

Teste ao Nokia Lumia 900 - Parte 2: viver com o Lumia

Teste ao Nokia Lumia 900 - Parte 3: as apps

1 comentário:

João Gata disse...

Excelente apreciação e muito pormenorizada.
Também gosto muito do 800 que é ligeiramente inferior ao 90 (e não tem esse fantástico truque de cancelar a chamada ao se virar para baixo).