quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Como usar o SkyDrive para sincronizar ficheiros *

O Skydrive é o serviço da Microsoft para armazenamento de dados na cloud. Existe já há bastante tempo, mas só em meados deste ano é que se tornou realmente interessante. Não porque não oferecesse mais espaço de armazenamento do que a concorrência (7 GB grátis e planos com preços bastante interessantes para comprar mais espaço) mas porque não era fácil tirar partido desse espaço.

Com o lançamento de aplicações para PC e Mac e, sobretudo, de apps para iOS, Windows Phone e, recentemente para Android, o Skydrive pode ser considerado como um dos melhores serviços deste tipo.

Disponível para download, o Skydrive vem também integrado no Windows Phone e no Windows 8, fornecendo uma forma simples e elegante de sincronização da informação entre dispositivos.

Quem já está habituado a serviços como o Dropbox, sabe como o Skydrive funciona: uma pasta especial é criada no nosso PC e tudo o que está dentro dessa pasta passa a estar também disponível online (via skydrive.com) podendo essa informação ser sincronizada noutras máquinas que usem o mesmo Windows Live ID.
 
E o Live Mesh?
 
O Skydrive permite não só armazenar como sincronizar dados através de diversos equipamentos. Acontece que a Microsoft já possuía uma outra aplicação, que fazia até parte do pacote Essentials até à versão 2011, chamada Live Mesh, que servia especificamente para a sincronização de dados e que, como tal, funcionava bem melhor (mas que tinha, e tem, a limitação de sincronizar apenas até 5 GB de dados).

Ao contrário do Skydrive, o Live Mesh (a aplicação ainda funciona, embora tudo indique que será descontinuada em breve, sendo que deixou de fazer parte do pacote Windows Essentials) permitia sincronizar templates do Word, assinaturas do Outlook e Favoritos do IE com apenas um clique; e, além disso, não havia qualquer pasta predefinida: podíamos sincronizar os dados de qualquer pasta do Windows.

Como utilizador de longa data do Live Mesh, procurei de imediato tentar replicar o seu funcionamento com o Skydrive. E descobri que é possível (com uma exceção) sendo apenas uma questão de inverter as coisas: “se a montanha não vai a Maomé, vai Maomé à montanha”!
 
Desktop, Favoritos e Templates
 
O que proponho a quem quiser sincronizar o conteúdo do seu Ambiente de Trabalho, dos seus Favoritos e dos modelos (templates) do Word (ou outras aplicações do Office) é alterar os seus caminhos de dados predefinidos. Ou, por outras palavras, fazer com que as localizações reais destes locais virtuais apontem para uma pasta dentro da Skydrive.

O primeiro passo é criar pastas “desktop”, “favoritos” e “modelos” dentro da Skydrive:


Depois, deverá editar as Propriedades das pastas referentes ao Ambiente de Trabalho e aos Favoritos e redirecioná-las para as pastas da Skydrive que acabou de criar.
 
 

Faça o mesmo com a pasta dos Favoritos.

Se quiser, pode usar o mesmo processo para as suas pastas de Fotos, Vídeos e Documentos.

No caso dos modelos do Word, o procedimento é semelhante, mas precisa de abrir o programa para alterar o caminho de dados respetivo (o exemplo dado é para o Word 2010).

Aceda a Ficheiro>Opções>Avançadas>Geral>Localizações de ficheiro e altere o caminho para a pasta que criou na Skydrive.
 

Bibliotecas e Skydrive
 
Caso não pretenda sincronizar dados entre computadores nem alterar caminhos de pastas, poderá usar a funcionalidades das Bibliotecas, presente no Windows desde o Vista, para organizar a informação.

Para isso, basta incluir as pastas da Skydrive nas bibliotecas que pretender, sejam elas de documentos, fotos ou vídeos.

 
 

A exceção a que me referi inicialmente e que não consegui resolver foi a do sincronismo das assinaturas de email no Outlook. O problema não é saber qual a pasta onde elas se encontram, mas mudar o caminho predefinido.

Se o leitor conseguir uma solução para este problema, envie-nos e atualizaremos o artigo em conformidade.

Entretanto, aqui fica uma apresentação em vídeo do "novo" SkyDrive.
 


* Artigo originalmente publicado no site Wintech.

Sem comentários: