quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

OBD-II – O automóvel "ligado" *

Praticamente todos os fabricantes de automóveis oferecem hoje uma panóplia de equipamentos que permitem a interligação com dispositivos móveis, como ou sem fios, ou até mesmo a ligação à Internet para todos os ocupantes do veículo.
 
Isso tudo é muito bonito, mas o mais interessante seria a possibilidade de nos ligarmos ao cérebro eletrónico do nosso carro de forma a termos acesso a diagnósticos e dados do seu funcionamento em tempo real.
 
Acontece que isso é possível em praticamente qualquer automóvel: todos os veículos produzidos para o mercado dos EUA desde 1996 e todos os automóveis a gasolina (desde 2001) e diesel (desde 2003) à venda na Europa estão equipados com uma interface normalizada designada OBD-II (iniciais de On Board Diagnostics.
 
Durante anos, esta interface foi apenas usada pelas oficinas para “ligar o carro à máquina” e realizar diagnósticos. Contudo, desde há algum tempo que qualquer pessoa pode fazer o mesmo de forma muito simples e barata: basta adquirir um pequeno dispositivo designado ELM327 que permite ler e interpretar os dados disponibilizados pelo veículo através da interface OBD-II e transmiti-los via Bluetooth ou Wi-Fi para um computador ou smartphone.
 
Melhor ainda, estes dispositivos podem ser adquiridos na Internet por menos de 10 euros! Os dispositivos ELM327 mais baratos e básicos limitam-se a ler os códigos de erro, mas mesmo aparelhos de apenas cerca de €20 podem incluir mais funcionalidades e sensores adicionais que dão uma ideia muito abrangente do desempenho do veículo.

Plug & Play
Tudo o que precisa de fazer para poder diagnosticar problemas no seu automóvel sem ter de recorrer a dispendiosos serviços de uma oficina é determinar onde é que o seu veículo tem a interface OBD-II com uma pesquisa via Google tipo “OBD-II [nome do seu carro]” ou através de websites especializados, como é o caso de  www.outilsobdfacile.com.
 
Dependendo do veículo, a tomada tanto pode estar facilmente acessível dentro do porta-luvas como junto à caixa de fusíveis ou por detrás de uma tampa de plástico no painel de instrumentos. De qualquer forma, não deverá ser difícil encontrá-la e aceder-lhe.
 
Uma vez localizada a tomada, é só ligar o dispositivo ELM327, o qual se emparelha com qualquer smartphone ou computador via Bluetooth. Basta então escolher uma app entre a infinidade de programas que existem em qualquer app store para este efeito (sim, até para Windows Phone…) e a magia acontece!
 
Uma vez que os códigos de diagnóstico recolhidos pelo dispositivo ELM327 podem ter significados diferentes consoante a marca, modelo e até ano do veículo, a app recorre a bases de dados na Internet para determinar o seu real significado. Algumas apps limitam-se a ler os dados e a interpretá-los, mas há outras que vão ao ponto de oferecer resultados em tempo real, enquanto conduz – o que é possível caso a posição da interface OBD-II o seu carro e o tamanho do dispositivo ELM327 que adquiriu permitam a sua instalação permanente.
 
Uma das vantagens de uma instalação permanente é que pode depois usar apps que façam um registo do que se passa com o veículo ao longo de um período de tempo, o que é crucial para conseguir detetar avarias que se relevem de forma intermitente mas que deixam atrás de si um registo sob a forma de códigos de erro.
 
A menos que saiba realmente o que está a fazer, não é aconselhado que decida reparar o seu carro com base nos dados fornecidos através deste sistema, mas pelo menos tem agora uma forma de chegar à oficina já com uma ideia mais concreta do que se passa com o seu veículo, evitando situações menos claras.
 
* Artigo publicado originalmente no website Internext 

Sem comentários: