sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Live Mesh disponível para todos:
a vida sincronizada

Mesh Desde há alguns meses que tenho vindo a usar o serviço Live Mesh, apesar de estar apenas disponível para utilizadores norte-americanos (foi só criar uma conta no Hotmail indicando que a minha morada era algures nos EUA…).

Contudo, não era sequer uma beta, mas sim uma “technical preview”, perfeita para geeks como eu, mas desadequada ao público em geral.

A boa notícia é que o Live Mesh está já em beta, tem mais funcionalidades e foi agora aberto a toda a gente.

Mas o que é o Live Mesh? Três coisas: Sincronizar, Partilhar e Aceder (e uma quarta: é grátis!). Este serviço da Microsoft pega numa tecnologia que a empresa já tinha sob a forma do software colaborativo Groove e colocou-o “na nuvem”. O resultado é uma plataforma que permite sincronizar automaticamente (ou não) a informação através de múltiplos dispositivos, sejam eles computadores de mesa, portáteis, Smartphones, PDAs ou até Macintosh (o suporte a PDAs/Smartphones ainda não existe e o suporte para Macintosh é ainda limitado).

Além disso, a partir de um dispositivo ligado à Mesh é possível aceder a qualquer outro dispositivos nessa mesma Mesh – uma espécie de Ambiente de Trabalho Remoto com esteróides!

Finalmente (e esta é uma funcionalidade que só agora está disponível, na versão beta), podemos criar áreas de trabalho partilhadas e sincronizadas, o que é excelente para quem ter de gerir equipas geograficamente dispersas ligadas apenas através da Internet.

Para já, é possível “brincar” com a coisa e usufruir de 5 GB de espaço gratuito “na nuvem”. Não se sabe ainda como é que a Microsoft irá comercializar este serviço no futuro, mas é possível que haja uma versão paga mais potente, com mais espaço e, eventualmente, mais funcionalidades.

Mas, tal como está, o Live Mesh é já de si impressionante. Aponte o browser para http://www.mesh.com/ e interrogue-se como é que foi possível viver sem isto durante tanto tempo.

Edit: pelos vistos, o melhor está ainda por vir, como se pode ver, por exemplo, aqui.

Sem comentários: